Utopias ou tiranias – A escolha é nossa

utopia-blog

Utopias ou tiranias – A escolha é nossa

O conceito de Utopia (u-topos, “nenhum lugar” – um mundo idealizado) está ligado a qualquer descrição imaginativa de uma sociedade ideal, fundamentada em leis justas e em instituições político-econômicas verdadeiramente comprometidas com o bem-estar da coletividade. Mas, por derivação de sentido, assumiu um significado que atualmente tem um uso bastante corrente, de projeto de natureza irrealizável, de ideia generosa, porém impraticável; quimera, fantasia.

Para recuperar o sentido original, podemos recorrer às palavras do poeta gaúcho Mário Quintana:

“Das Utopias”

Mário Quintana

“Se as coisas são inatingíveis… ora!

Não é motivo para não querê-las…

Que tristes os caminhos, se não fora

A presença distante das estrelas!”

A utopia é a forma em que colocamos nossos ideais. Temos que ter ideais para podermos construir alguma coisa. Tudo que se faz com planejamento acaba sendo realizado de uma forma melhor do que aquilo que não é planejado. Temos que ter ideais para construirmos um mundo melhor. Podemos nunca chega a um mundo perfeito, mas, pelo menos, construiremos um mundo melhor do que o que temos agora. Os ideais são nossas estrelas. O fato de nunca termos conseguido chegar a uma estrela não impede que elas orientem nossos caminhos.

Saint Martin certamente estava na mesma sintonia quando compôs o que acabou vindo a ser a lema da Revolução Francesa e que está definido na revista O Rosacruz, nº 203, 1993, pg. 21: “A felicidade da humanidade consiste na união de todos os membros de sua grande família. Essa união só pode se dar através da fraternidade, que cria a igualdade pelo equilíbrio estável dos direitos e dos deveres, assegurando ao mesmo tempo a liberdade, a segurança e a preservação da coletividade.

Suas ideias podem ainda hoje ser consideradas utópicas no sentido negativo, mas o mundo ocidental já deu grandes passos nessa direção. Talvez nunca cheguemos realmente a ter essa experiência plena de sociedade, mas já estamos voltados para essa direção.

Platão, fervoroso discípulo de Sócrates, já insistia na importância da instrução moral e do valor do exemplo. Em um de seus discursos, ele concluiu a oração nestes termos: “Quando os governantes abusam de seu poder; quando os pais se habituam a deixar os filhos sem disciplina; quando os filhos não prestam a atenção a suas palavras; quando os mestres tremem diante de seus alunos e preferem bajulá-los; quando, finalmente, os jovens desprezam as leis e a moral porque não reconhecem acima deles a autoridade de nenhuma coisa ou pessoa, então surge ali em toda a beleza e em toda a juventude, o nascimento da tirania”.

Para não corrermos este risco, podemos reiterar as palavras do Manifesto Positio Fraternitatis Rosae Crucis que, em sua página 30, diz: “Antes de selar esta Positio e lhe dar assim a marca da nossa Fraternidade, desejamos encerrá-la com uma invocação que traduz o que se poderia qualificar como a Utopia Rosacruz, no sentido platônico do termo. Apelamos à boa vontade de todos e de cada um, para que essa Utopia se torne um dia realidade, para o maior bem da Humanidade. Talvez esse dia nunca chegue, mas, se todos os seres humanos se esforçarem para acreditar nisso e agirem em conformidade com isso, o mundo poderá ser melhor…”

Precisamos estar sempre atentos para esta escolha. O que é preferível ter como vislumbre do nosso futuro: uma utopia ou uma tirania?

 

UTOPIA ROSACRUZ

Deus de todos os seres humanos, Deus de toda vida,

Na humanidade com que sonhamos:

Os políticos são profundamente humanistas e trabalham a serviço do bem comum,

Os economistas gerem as finanças dos estados com discernimento e no interesse de todos,

Os sábios são espiritualistas e buscam sua inspiração no Livro da natureza,

Os artistas são inspirados e expressam em suas obras a beleza e a pureza do Plano Divino,

Os médicos são motivados pelo amor ao próximo e cuidam tanto das almas quanto dos corpos,

Não há mais miséria nem pobreza, pois cada qual tem aquilo de que precisa para viver feliz,

O trabalho não é mais vivenciado como uma coerção, mas como uma fonte do desabrochar e de bem-estar,

A natureza é considerada como o mais belo dos templos e os animais como nossos irmãos em via de evolução,

Há um Governo mundial, formado pelos dirigentes de todas as nações, trabalhando no interesse de toda a Humanidade.

A espiritualidade é um ideal e um modo de vida que tem sua fonte numa religião universal, baseada mais no conhecimento das leis divinas do que na crença em Deus,

As relações humanas são fundadas no amor, na amizade e na fraternidade, de modo que o mundo inteiro vive em paz e harmonia.

Assim seja!

 

Compartilhar/strong> Artigo

Sobre o Autor

Comentários

Comments are closed.